BAIANICES DA VIRADA – zédejesusbarrêto

postado por Jary Cardoso @ 11:00 PM |
31 de dezembro de 2009

.

Sobre as ondas

.

A fila do ferry foi pra lá de Roma. Rodoviária loucura. Voos atrasados. Hotéis lotados. Todos querem ir. E você vai pra onde? Um tumulto na BR-Brasilgás a cada parada de buzu. Todos precisam pongar.

Do Natal até o fim do ano aconteceram mais de 100 assassínios na Bahia. Nunca se viu. O governo diz que vem mais viatura, mais armamentos, que a guerra é tirana, e tome-lhe bala.

É preciso comprar, comer, beber, dançar. Temos ânsias de festança. Vai buscar… correndo! E ligeiro.

Tão sós, seguimos em bandos, aos soluços (vômitos?), sob os estímulos vigentes, no ritmo que ecoa.

Filas, correria, estresse, euforias, foguetes, champã, regalos, procuras, desejos, promessas, (des)encontros… Quero mais, não há tempo de temer a sorte.

Quero mais… é só o começo, vem aí muita festa, carnaval.

É só quentura, barril!

Tribais rituais. Celebramos o quê? O gregário humano.

Gosto de perigo no ar, aquele travo de felicidade, coletivo.

.

É noite.

Pés descalços na areia úmida que reflete o dourado da lua cheia, brinco de seguir sozinho pisando nos bordados das franjas brancas que as ondas vindas do mar escuro vão desenhando na praia. Tantos!

De longe, o rumorejar das águas, um pulsar profundo que se espraia como um expirar cansado.

Belo, sedutor.

É necessário ouvir as canções do mar.

O que nos dizem as águas.

Bença mãe.

.

(31dez/2009)

*

Agulhadas na fé

.

O cardeal arcebispo primaz do Brasil, Dom Geraldo Majella, autoridade maior da Igreja Católica Apostólica e Romana, na Bahia, foi visitar no hospital o menino agulhado pelo padrasto.

O ato de enfiar cerca de 30 agulhas numa criança de dois anos chocou.

Entendo que por ignorância (inexplicável, no caso) o noticiário falou de um ritual religioso, de participação de uma rezadeira ou mãe-de-santo, coisa de magia-negra.

O noticiário televisivo, mal informado ou de má fé, também chocou.

Não existe religião verdadeira que pregue ou faça o mal’, disse o cardeal.

*

MÃE STELLA DE OXÓSSI – Foto de MARGARIDA NEIDE | Agência A Tarde

Mãe Stella de Oxóssi, ialorixá do Ilê Axé Opô Afonjá, tradicional terreiro de candomblé de nação keto/nagô fundado por Mãe Aninha em 1910, também falou com autoridade e serenidade de sacerdotisa:

O candomblé, religião dos Orixás, não faz mal às pessoas. Nosso compromisso é com o bem e a verdade. Cuidamos o espiritual’.

.

Mãe Stella deixou claro que esse fato, chocante, não tem qualquer ligação ou referência com a crença nos Orixás. Dela é a mensagem, que deve ser refletida sobretudo pelos responsáveis pela comunicação, pela informação:

No candomblé não existem esses tipos de rituais com agulhas, nem existe magia negra na religião. O próprio termo já é preconceituoso”.

.

A Ialorixá ainda está perplexa com a invasão do centenário terreiro de São Gonçalo do Retiro, numa noite desse dezembro que se finda, por um grupo de vândalos que fizeram um arrastão, invadiram locais sagrados, derrubaram portas, profanaram espaços e objetos do culto, saquearam casas… A roça do Afonjá é uma comunidade.

Quem terá sido? Voltarão na madrugada escura?

.

O povo-de-santo da Bahia merece respeito.

E proteção. Cuidados.

Terreiros são locais sagrados.

Como são as catedrais, as sinagogas, as mesquitas…

.

Que seria da Bahia, nossa Mãe Preta, não fosse seu povo-de-santo?

*

Dois mil e dez me chama.

Acudam.

.

(zedejesusbarreto / 31 dez 2009)

.

Tags: , , , , ,

Leave a Reply



Grupo A TARDE

empresas do grupo

jornal a tarde | a tarde online | a tarde fm | agência a tarde | serviços gráficos | mobi a tarde | avance telecom | massa!

iniciativas do grupo a tarde educação | a tarde social


Rua Prof. Milton Cayres de Brito n° 204 - Caminho das Árvores - Salvador/BA, CEP-41820570. Tel.: 71 3340-8500 - Redação: 71 3340-8800


Copyright © 1997 - 2010 Grupo A TARDE Todos os direitos reservados.